conecte-se conosco



Economia

Fim do auxílio emergencial deve resultar em mais de R$ 60 bi de perda da massa salarial

Publicado

Um levantamento realizado pelo Santander mostra que o fim de benefícios emergenciais deve impactar o poder de consumo das famílias neste ano.

Um estudo inédito realizado pelo Santander, mostrou que o auxílio emergencial, pago a mais de 66 milhões de brasileiros no ano passado, representou uma massa salarial ampliada em 326 bilhões de reais.

Outro programa que contribuiu para esse resultado foi o Benefício Emergencial para Preservação do Emprego e da Renda (BEM), que permitiu a redução da jornada de trabalho e do salário com o objetivo de preservar empregos. De acordo com o Ministério da Economia, o BEM atendeu 10 milhões de trabalhadores e 1,5 milhão de empresas.

O levantamento apontou que se não houvessem os programas de auxílio à população e às empresas, a perda de massa salarial ampliada, que inclui todas as fontes de renda dos trabalhadores, teria sofrido uma queda de 6,6% em 2020.

Com o pagamento dos benefícios, houve um aumento de 2,8% da massa salarial no ano passado, que somou 916,25 bilhões de reais.

Previsão 2021

Agora, com o fim dos benefícios, a previsão para este ano é de uma queda de mais de 60 bilhões de reais da massa salarial ampliada.

“A retirada dos programas já era prevista, por se tratar de uma questão emergencial de 2020, e sinaliza uma vontade do governo de arrumar a questão fiscal, mas não deixa de ter um impacto no cenário macroecônomico”, analisa Lucas Maynard, economista do Santander.

Ainda assim, a expectativa é de uma alta no consumo das famílias de 2,1%, ante uma queda de 4,3% no ano passado, de acordo com o Santander. As projeções, no entanto, dependem de uma série de fatores, entre eles a intensidade da segunda onda de covid no país, o início do calendário de vacinação e a questão fiscal.

O desemprego também deve entrar nessa equação. “Muitas pessoas que não procuraram trabalho em 2020, em razão do fechamento da economia e do recebimento do auxílio, devem fazer isso em 2021, engrossando a taxa de desemprego”, diz Lucas Maynard, economista do Santander.

O aumento no número de casos do coronavírus é outro fator de preocupação. Caso o crescimento de internações hospitalares em razão da pandemia atinja níveis semelhantes aos observados nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e em outros países, é possível que estados e munícipios tenham de restringir a circulação de pessoas e o funcionamento de determinadas atividades.

Nas regiões do país mais atingidas pela segunda onda da covid, esse temor já vem se tornando uma realidade. O governo do Amazonas decretou nesta segunda-feira, dia 4, o fechamento de todos os serviços não essenciais — a medida é válida por 15 dias.

“A tendência é que mais medidas restritivas sejam tomadas com o novo avanço da pandemia no Brasil, como já aconteceu em outras partes do mundo”, avalia Christopher Garman, diretor para as Américas da consultoria Eurasia.

“O impacto da retirada do auxílio emergencial e o tamanho da segunda onda no Brasil são os principais fatores que devem impactar a economia e a política no país neste ano”, afirma.

Recuperação econômica

Há ainda outros motivos de incerteza, como a pressão inflacionária e os reajustes que deverão ser praticados pelo setor de educação, represados no ano passado. A intenção de investimento das empresas também está em pauta.

Nas próximas semanas, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) deverá lançar o levantamento do apetite por inversões das empresas do setor previstos para este ano.

“Com dados como esses em mãos, será possível ter uma noção mais clara sobre o comportamento da economia em 2021”, diz Renato da Fonseca, gerente executivo de economia da CNI.

Em um cenário positivo, a continuidade da recuperação econômica e o bom encaminhamento da questão fiscal, com uma possível atração de investimentos, devem compensar a retirada do auxílio. “A aprovação da reforma administrativa e tributária também deverá acrescentar elementos estruturantes à macroeconomia”, afirma Fonseca.

Do lado negativo, não há mais espaço para gastos com medidas extraordinárias para fazer frente a um eventual novo impacto do coronavírus sobre a economia. “O Brasil gastou mais do que outros países emergentes e a conta socioeconômica e política provavelmente será paga neste ano”, diz Garman.

Fonte? ANANDA SANTOS | https://www.contabeis.com.br/

Comentários Facebook
Veja as principais ações do mercado financeiro mundial
Leia mais:  Gás de cozinha sobe mais que o dobro da inflação em 2020
publicidade

Economia

Ipea aponta inflação de 6,22% para as famílias mais pobres em 2020

Publicado

A taxa de inflação para as famílias de renda mensal mais baixa –  menor que R$ 1.650,50 – foi de 1,58% em dezembro de 2020. Na faixa que representa as famílias de renda mais alta (com rendimento domiciliar superior a R$ 16.509,66), a variação foi de 1,05%, com uma diferença de 0,53 ponto percentual entre os dois grupos. No acumulado do ano, enquanto a inflação das famílias de renda mais baixa teve elevação de 6,22%, o segmento de renda alta registrou taxa menor: 2,74%.

Os dados constam do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda referente a dezembro, divulgado hoje (15), no Rio de Janeiro, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

“Embora tenha se mantido em dezembro o padrão inflacionário presente nos últimos meses, caracterizado pela aceleração dos preços dos alimentos no domicílio, o reajuste da energia elétrica e a alta nos preços dos serviços livres se revelaram focos de pressão adicionais no orçamento das famílias”, informou o Ipea.

Segundo o estudo, os segmentos de habitação e alimentos e bebidas foram os que mais impactaram a inflação das famílias de menor renda, impulsionados pela alta de 9,3% nas tarifas de energia e pelos aumentos no preço do gás de botijão (2%), arroz (3,8%), feijão (3,3%), batata (7,3%) e carnes (5,6%).

Foco inflacionário

Já os reajustes das passagens aéreas (28,1%), dos transportes por aplicativo (13,2%) e da gasolina (1,5%) fizeram do grupo transporte o maior foco inflacionário para a classe de renda mais alta no mesmo período.

“Quando se observa a variação acumulada em 2020, se comparada com a de 2019, os dados mostram que, para as três faixas de renda mais baixa, houve uma aceleração da inflação, enquanto que, para as três classes de renda mais alta, o ano passado proporcionou um alívio inflacionário. A diferença entre essas pressões pode ser explicada pelo peso das despesas com alimentos, energia e gás: elas comprometem 37% dos orçamentos mensais nas famílias mais pobres e 15% nas mais ricas”, disse o Ipea.

Acrescentou que, no ano passado, os itens que mais pesaram na cesta de consumo dos mais pobres foram arroz (76%), feijão (45%), carnes (18%), leite (27%) e óleo de soja (104%), além das tarifas de energia (9,2%) e do gás de botijão (9,1%).

No mesmo período, a parcela com renda mais alta da sociedade sentiu uma alta moderada de serviços como mensalidades escolares (1,1%) e serviços médicos e hospitalares (14,8%), além de deflações em itens consumidos majoritariamente por esse grupo, como passagens aéreas (-17%), seguro de automóvel (-8%) e gasolina (-0,2%)

Edição: Kleber Sampaio | Agencia Brasil

Comentários Facebook
Veja as principais ações do mercado financeiro mundial
Leia mais:  Gás de cozinha sobe mais que o dobro da inflação em 2020
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana