conecte-se conosco


Agronegócio

Chuvas e falta de infraestrutura causam prejuízo de R$ 1,3 bilhão no setor agrícola em MT, estima Imea

Publicado em

Agronegócio [email protected]

Em Mato Grosso, a colheita de soja continua. São mais de 1,5 milhão de hectares para serem colhidos.

As chuvas frequentes e a falta de infraestrutura no campo devem causar um prejuízo de R$ 1,3 bilhão, segundo estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária de Mato Grosso (Imea-MT). Em Mato Grosso, a colheita de soja continua. São mais de 1,5 milhão de hectares para serem colhidos.

De acordo com o Imea-MT, os volumes de chuva durante a colheita foram 55% maiores que a média histórica para o período, principalmente nas regiões que mais produzem soja no estado, como a médio norte.

Segundo o Sindicato Rural, em Sorriso, que é o maior produtor brasileiro de soja, a colheita está praticamente encerrada. Agora os produtores voltam para tentar colher a soja estragada, que foi deixada para trás.

“Houve perda de 15% a 20%. Nós tivemos produtividades baixas em alguns talhões. Esperávamos colher 65, mas quando colocava a máquina colhia 52 ou 54. Essa era a produtividade, quando colhia”, explicou o presidente do sindicato, Silvano Filipetto.

O Imea-MT estima que, em todo o estado, cerca de 30 mil hectares nem devem ser colhidos. O grão está tão ruim que a colheita acaba não compensando para os produtores.

Nas áreas rurais, a chuva ainda causa prejuízos em estradas e pontes. No leste do estado, atoleiros continuam prejudicando o escoamento da safra.

Diante desse cenário de prejuízos, muitos municípios decretaram situação de emergência para tentar melhorar a infraestrutura e dar mais ‘fôlego’ aos produtores para negociar os contratos e dívidas.

Fonte: G1 MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Articulação do deputado Nininho resulta na implantação de Centro de Inovação em Rondonópolis.
Propaganda

Agronegócio

IBGE prevê safra recorde de 264,9 milhões de toneladas para 2021

Publicados

em

Soja deve atingir mais um marco inédito

A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2021 alcançou mais um recorde, devendo totalizar 264,9 milhões de toneladas, 4,2% (10,7 milhões de toneladas) acima da obtida em 2020 (254,1 milhões de toneladas).

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado hoje (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A previsão para a safra de soja deve atingir mais um marco inédito, com 131,8 milhões de toneladas. Segundo o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, a demanda aquecida e o dólar em alta têm favorecido a comercialização da soja e incentivado os produtores a aumentarem o plantio.

Conforme o IBGE, no final de março de 2021, a saca de 60 quilos do produto foi comercializada a R$ 173,3, 3,49% acima do mês anterior. Na região integrada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (Matopiba), quase todos os estados apresentam aumentos expressivos na produção, como o Piauí (15,6%), a Bahia (7,6%) e o Maranhão (3,8%). A exceção é o Tocantins (-6,3%).

“A colheita da soja está perto de ser concluída na maioria das unidades da federação, mas está com atraso em relação ao ano anterior, que foi causado pelo plantio tardio devido à estiagem no início da primavera. Com o retorno das chuvas, a partir de dezembro, as lavouras se recuperaram e a cultura se desenvolveu de maneira satisfatória”, disse o pesquisador, em nota.

De acordo com ele, embora atualmente o excesso de chuvas venha causando problemas em alguns estados, tanto na colheita quanto no escoamento da safra, restam poucas áreas a serem colhidas e a produção da oleaginosa deverá ficar 8,5% (10,3 milhões de toneladas) acima da de 2020.

Produção de uvas

Além dos grãos, o IBGE também destacou o aumento na produção de uvas. A estimativa da produção em março foi de 1,7 milhão de toneladas, crescendo de 4,9% em relação ao mês anterior e de 18,7% em relação a 2020, o que se deve ao bom rendimento das lavouras.

Em março, a produção do Rio Grande do Sul, responsável por 56,5% da safra nacional de uvas, foi reavaliada com crescimento de 8,5% em relação à estimativa anterior e de 29,2% frente a 2020, alcançando 950,2 mil toneladas.

“As condições de estiagem, combinadas com grande amplitude térmica diária, de dias quentes e noites frias, ocorridas no final da primavera e início do verão, não anteciparam o ciclo e foram muito favoráveis para a quantidade e a qualidade enológica das uvas precoces. O consumo de vinho durante a pandemia de covid-19 cresceu bastante, reduzindo os estoques comercializáveis de uva. Mas as cooperativas do Rio Grande do Sul esperam recompor esses estoques durante o ano, bem como o estoque de passagem até a próxima colheita”, afirmou Barradas.

Segundo o levantamento, outras unidades produtoras também esperam crescimento da produção em relação a 2020, como Pernambuco (15,3%) e Bahia (8,9%), estados em que se localiza o Vale do São Francisco e que, junto com o Rio Grande do Sul, respondem por 82,6% da produção nacional de uva. Enquanto no Sul a maior parte das uvas tem como destino a produção de sucos, no Nordeste, a maior parte vai para o consumo de mesa.

Na informação do levantamento de março em relação à de fevereiro, destacaram-se as variações positivas nas produções de trigo (8,1% ou 541,6 mil toneladas), cevada (7,9% ou 31,3 mil toneladas), feijão de 1ª, 2ª e 3ª safra (0,8%, 5,0% e 1,7%, somando 77 mil toneladas), uva (4,9% ou 78,4 mil toneladas), sorgo (2,4% ou 67,5 mil toneladas), soja (1,1% ou 1,4 milhão de toneladas) e arroz (0,9% ou 100,3 mil toneladas).

São esperadas quedas na produção do milho de 1ª e 2ª safra (-1,5% e -0,1% ou 471,2 mil toneladas) e da aveia (-0,3% ou 2,5 mil toneladas).

Fonte: Agencia Brasil

Comentários Facebook
Leia mais:  Covid-19: Brasil tem novo recorde com 2.400 mortes diárias
Continue lendo

INFORME PUBLICITÁRIO

Propaganda

Pontes e Lacerda

Propaganda

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana