conecte-se conosco



Geral

Rua da Gente atrai crianças da geração digital para atividade lúdicas

Publicado


Com a iniciativa de ocupar os espaços públicos da capital com atividades de integração, práticas que trabalhem corpo e a mente, atividades lúdicas e outras diversas modalidades de esporte e lazer, o Programa Rua da Gente busca estimular a criatividade com oficinas manuais, danças variadas, confecções com material reciclável e também resgata antigas brincadeiras que ensinam e estimulam a criança a se desenvolver.

O Programa Rua da Gente é realizado desde setembro deste ano, e até dezembro completa 100 edições. O projeto é uma parceria de três secretarias: Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de São Paulo (Seme), Secretaria de Cultura e Secretaria de Relações Sociais. As atividades são gratuitas e ocorrem aos sábados e domingos, em várias regiões da cidade, sempre em bairros diferentes a cada fim de semana.

O Programa Rua da Gente é realizado desde setembro deste ano

O Programa Rua da Gente é realizado desde setembro deste ano – divulgação da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de São Paulo

O secretário adjunto de Esportes e Lazer, Thiago Lobo, destaca a importância do programa em levar esporte, lazer e recreação para todos os lados da cidade. “É importante levar atividades físicas, mostrar os esportes para as famílias, crianças, adultos, jovens e idosos. Além disso, queremos divulgar quais são as atividades esportivas nos clubes, centros esportivos que a gente trabalha. Os monitores são capacitados para poder direcionar a quem gostou das atividades física para poder procurar um centro esportivo para poder praticar regularmente”.

Leia mais:  Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias

Segundo Lobo, as atividades são extensas e bem diversificadas. “Como a gente atende vários tipos de público, de criança à pessoa idosa, a gente tem desde atividades para práticas corporais e relaxantes, temos as brincadeiras, os brinquedos, as atividades esportivas, as recreativas, depende do público que atingir. Mas as atividades recreativas acabam gerando um impacto maior, por conta das crianças que frequentam as atividades, mas fizemos pensando em todo mundo”.

Com investimento para fornecer equipamentos, profissionais e toda infraestrutura necessária, até 2020 serão realizadas 320 edições, em diversas ruas da cidade e com uma expectativa de 125 mil pessoas atendidas, segundo a Seme.

Crianças ainda são crianças

Mesmo com tanta inovação inserida no mundo infantil, “crianças ainda são crianças”, diz o recreador do Programa Rua da Gente, Augusto Naliato. “Quando falamos de uma idade superior a 11 anos, vamos usar a tecnologia a nosso favor com brincadeiras ligadas a pesquisas e músicas. Abaixo disso, criança sempre vai ser criança, mesmo que tenha a tecnologia disponível todo dia. Quando ela vê duas ou mais interagindo, vai querer brincar junto”, completa o profissional que atua há 13 anos na área.

Leia mais:  Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias

De acordo com um estudo realizado pela cientista canadense Sheri Madigan, que acompanhou 2,5 mil crianças de 2 anos de idade, deixar um pequeno passar muito tempo usando tablets, celulares e outros eletrônicos com telas podem atrasar o desenvolvimento de habilidades de linguagem e sociabilidade. Porém, quando os pais são questionados pela falta de brincadeiras na rotina das crianças, 48% dos entrevistados disseram não ter tempo e 40% declararam não ter acesso a ambientes adequados e seguros para brincar, segundo a pesquisa Valor do Brincar Livre, promovida em dez países por uma marca do segmento de limpeza.

“O bom de programas como o Rua da Gente é que a criança pode sair do ambiente que insere, cada vez mais, ela nessa ‘vida virtual’. Quando chega no local, vê as atividades disponíveis, os brinquedos, outras crianças se divertindo em um espaço infantil é muito incrível. Atividade lúdica é a magia de encantar e fazer sentir as coisas simples e boas da vida”, finaliza o recreador.

Leia mais:  Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias

Para saber mais e conferir a programação das atividades, acesse o site do Programa Rua da Gente na internet.

Edição: Aécio Amado
Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
publicidade

Geral

Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias

Publicado

O acompanhamento do animal, conhecido como Ousado, será feito pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio)

Renata Prata | Sema/MT

Soltura da Onça Pintada Ousado no Pantanal

A onça pintada que foi solta no Pantanal depois de se recuperar dos ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por rádio-colar com GPS que permitirá o acompanhamento de sua readaptação. O controle do animal, chamado de Ousado, será realizado pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio).

A partir do rádio-colar será possível monitorar sua localização e saber o seu comportamento, explica o analista ambiental do ICMBio Ronaldo Morato.

“Nossa maior preocupação é saber se o Ousado terá sucesso na sua readaptação, se está caçando, se alimentando, aonde está indo. Ele poderá ficar com o colar por até 400 dias, após esse tempo ele cai sozinho. Será interessante pois poderemos avaliar o comportamento do animal também no período após as queimadas “, afirma Morato.

Ousado foi solto no mesmo local em que foi resgatado, no Parque Estadual Encontro das Águas, no Pantanal, depois de passar mais de um mês em recuperação no Instituto Nex, em Goiás. O animal foi encontrado com algumas queimaduras, ferido e desidratado. No instituto ele recebeu tratamento com ozônio e lazer terapia e foi constatado que não teve perda de função de seus membros o que permitiu ser solto novamente na natureza.

De acordo com a coordenadora de Fauna e Recursos Pesqueiros da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Neusa Arenhart, por ser um animal territorialista a soltura no mesmo local em que foi encontrado e onde já tem seu espaço demarcado faz com que ele não precise invadir o espaço de outros animais para buscar alimentos, o que facilita o processo.

Participaram da soltura: Secretaria de Estado de Meio Ambiente, por meio da Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros e Comitê Estadual de Gestão do Fogo, Corpo de Bombeiros, Instituto Chico Mendes (ICMBio), Ibama, Ampara Animal, ONG Panthera, Instituto Nex, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e o pesquisador Wladimir Domingues da Universidade De Maringá.

Comentários Facebook
Leia mais:  Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana