conecte-se conosco



Política

Problemas no coração afetam 134 mil pessoas em Mato Grosso

Publicado

De autoria do deputado Dr. Gimenez, o Projeto de Lei 1.039 institui mês de alerta para as doenças coronárias, que são a primeira causa de morte no mundo e 30% no Brasil.

Cerca de 290 mil pessoas morreram no país em decorrência de patologias relacionadas ao coração, de acordo com a plataforma Cardiômetro, da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Em Mato Grosso, o IBGE Saúde aponta que aproximadamente 3,9% da população sofrem com problemas coronários, o equivalente a cerca de 135 mil pessoas.

De autoria do deputado estadual Dr. Gimenez (PV), o projeto de Lei 1.039 institui o ‘Setembro Vermelho’ como mês de alerta para as doenças coronárias no âmbito estadual. A matéria foi apresentada nesta semana em Plenário e demonstra a importância de haver um marco estadual na luta pela prevenção a essas enfermidades.

“As doenças coronárias representam 31% das mortes para a Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente mais de 17 milhões de pessoas morrem. Infelizmente, o problema deixou de ser associado à meia-idade e vem afetando jovens entre 25 e 30 anos, ou seja, precisamos nos mobilizar”, justifica.

No mês de junho, o parlamentar, que tem 68 anos, precisou se submeter a um procedimento cirúrgico no coração: um cateterismo cardíaco e uma angioplastia para introdução de dois ‘stents’. Plenamente recuperado, tem seguido uma dieta alimentar rigorosa e procurado adotar uma rotina de controle ao estresse. 

“Um parlamentar possui muitas atividades, eu viajo muito, participo de inúmeros eventos a semana toda, inclusive nos fins de semana; é muito puxado cumprir os compromissos todos, sem falar na responsabilidade inerente ao cargo, por isso já estou programando uma viagem nas férias para ficar mais perto da família”.

No mês de junho, Dr. Gimenez, 68 anos, precisou se submeter a um procedimento cirúrgico no coração e está com controle rigoroso da dieta alimentar

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O projeto propõe que governos estadual e municipal desenvolvam ações que incentivem mudanças de hábitos na população, como prática de caminhadas, trilhas, bicicleta, academias ao ar livre, entre outras atividades físicas regulares, já que mais de 80% das incidências de doenças cardiovasculares podem ser evitadas. 

Além disso, cabe ainda orientar a população sobre a importância de diminuir o consumo de alimentos com sódio, açúcar e gorduras. “Quanto mais natural a alimentação melhor”, acrescenta Dr. Gimenez, médico há 40 anos na área infantil, e que é um incentivador de uma rotina saudável desde a primeira infância. 

O mês de setembro foi escolhido para concentrar as campanhas de conscientização, prevenção e tratamento porque no dia 29 é comemorado o Dia Mundial do Coração, uma iniciativa criada em 2000 pela Federação Mundial do Coração com apoio das Nações Unidas. Desde então, diversas organizações no Brasil e no mundo realizam ações para lembrar a data.

Atenção aos sintomas – É preciso estar atento aos primeiros sintomas e realizar exames regularmente. Alguns indicadores são: falta de ar, cansaço após esforço físico, dores e queimações no peito, além de formigamento no braço esquerdo. Para detectar as doenças logo no começo, é recomendado realizar avaliações periódicas. Exames de sangue indicam alterações nos níveis de colesterol, glicemia e tireoide, que estão relacionadas aos fatores de risco. O eletrocardiograma também alerta para possíveis doenças coronárias.

O projeto propõe que governos estadual e municipal desenvolvam ações que incentivem mudanças de hábitos na população, entre elas, as academias ao ar livre

Foto: ROSE DOMINGUES

Controle do estresse – Não adianta cuidar da alimentação se não mudar a forma como reage aos problemas e desafios cotidianos. Embora seja um sentimento normal, o excesso de estresse é um fator de risco, que gera sensações de medo, desconforto, preocupação, irritação, frustração, indignação e nervoso. Práticas aparentemente simples podem ajudar, como dormir melhor, fazer atividades físicas, lazer ao ar livre e estar em contato com amigos para conversar e desabafar ajuda. Outras informações sobre as doenças coronárias você pode acessar a página da Sociedade Brasileira de Cardiologia: http://prevencao.cardiol.br/

Comentários Facebook
Leia mais:  Bolsonaro diz que auxílio emergencial deverá ter quarta parcela
publicidade

Política

Bolsonaro diz que auxílio emergencial deverá ter quarta parcela

Publicado

Live da Semana com Presidente Jair Bolsonaro – 28/05/2020

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (28) que o governo deve propor uma quarta parcela do auxílio emergencial, atualmente em R$ 600, mas que o valor ainda está em estudo pelo governo, que poderá reduzi-lo.

“Nós já estudamos uma quarta parcela com o Paulo Guedes. Está definindo o valor, para ter uma transição gradativa e que a gente espera que a economia volte a funcionar”, afirmou o presidente durante sua live semanal, transmitida pelas redes sociais.

auxílio emergencial prevê o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais, integrantes do Bolsa Família e pessoas de baixa renda. De acordo com a Caixa Econômica Federal, cerca de 59 milhões de pessoas já receberam o benefício. Cada parcela do auxílio emergencial custa aos cofres públicas cerca de R$ 48 bilhões.

Mais cedo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a permanência por mais tempo do pagamento do auxílio emergencial, mantendo-se o valor de R$ 600.

Carteira verde e amarela

Bolsonaro disse que, após a pandemia da covid-19, uma das prioridades do governo, na área econômica, será a retomada do projeto da chamada Carteira de Trabalho Verde e Amarela, programa do governo que flexibiliza direitos trabalhistas como forma de facilitar novas contratações. Segundo o presidente, o assunto está sendo tratado com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O Paulo Guedes quer dar uma flexibilizada para facilitar a empregabilidade. A gente vai precisar disso, não adianta falar que tem todos o direitos e não ter emprego pela frente. Só tem uma maneira: desonerar, descomplicar, simplificar a questão trabalhista”, afirmou.

A Medida Provisória 905, que criou o Programa Verde Amarelo, para facilitar a contratação de jovens entre 18 a 29 anos, perdeu a validade antes de ser aprovada pelo Congresso, em abril.

Privatizações

Sobre privatizações de estatais, o presidente disse que o governo esperar avançar com essa agenda após o fim da pandemia, mas ressaltou as dificuldades para aprovação no Parlamento.

“Estamos sim buscando privatizar muita coisa, mas não é fácil. Tem empresas que obrigatoriamente passam pelo Congresso, vai ter reação”, disse. Uma das empresas que Bolsonaro disse que será privatizada são os Correios.

Apesar de querer acelerar as privatizações, o presidente afirmou que algumas estatais, consideradas estratégicas, não vão ser vendidas, e citou nominalmente os casos do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, o “núcleo” da Petrobras e a Casa da Moeda.

Logo da Agência Brasil

Comentários Facebook
Leia mais:  Bolsonaro diz que auxílio emergencial deverá ter quarta parcela
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana