conecte-se conosco



Política

Problemas no coração afetam 134 mil pessoas em Mato Grosso

Publicado

De autoria do deputado Dr. Gimenez, o Projeto de Lei 1.039 institui mês de alerta para as doenças coronárias, que são a primeira causa de morte no mundo e 30% no Brasil.

Cerca de 290 mil pessoas morreram no país em decorrência de patologias relacionadas ao coração, de acordo com a plataforma Cardiômetro, da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Em Mato Grosso, o IBGE Saúde aponta que aproximadamente 3,9% da população sofrem com problemas coronários, o equivalente a cerca de 135 mil pessoas.

De autoria do deputado estadual Dr. Gimenez (PV), o projeto de Lei 1.039 institui o ‘Setembro Vermelho’ como mês de alerta para as doenças coronárias no âmbito estadual. A matéria foi apresentada nesta semana em Plenário e demonstra a importância de haver um marco estadual na luta pela prevenção a essas enfermidades.

“As doenças coronárias representam 31% das mortes para a Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente mais de 17 milhões de pessoas morrem. Infelizmente, o problema deixou de ser associado à meia-idade e vem afetando jovens entre 25 e 30 anos, ou seja, precisamos nos mobilizar”, justifica.

No mês de junho, o parlamentar, que tem 68 anos, precisou se submeter a um procedimento cirúrgico no coração: um cateterismo cardíaco e uma angioplastia para introdução de dois ‘stents’. Plenamente recuperado, tem seguido uma dieta alimentar rigorosa e procurado adotar uma rotina de controle ao estresse. 

“Um parlamentar possui muitas atividades, eu viajo muito, participo de inúmeros eventos a semana toda, inclusive nos fins de semana; é muito puxado cumprir os compromissos todos, sem falar na responsabilidade inerente ao cargo, por isso já estou programando uma viagem nas férias para ficar mais perto da família”.

No mês de junho, Dr. Gimenez, 68 anos, precisou se submeter a um procedimento cirúrgico no coração e está com controle rigoroso da dieta alimentar

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O projeto propõe que governos estadual e municipal desenvolvam ações que incentivem mudanças de hábitos na população, como prática de caminhadas, trilhas, bicicleta, academias ao ar livre, entre outras atividades físicas regulares, já que mais de 80% das incidências de doenças cardiovasculares podem ser evitadas. 

Além disso, cabe ainda orientar a população sobre a importância de diminuir o consumo de alimentos com sódio, açúcar e gorduras. “Quanto mais natural a alimentação melhor”, acrescenta Dr. Gimenez, médico há 40 anos na área infantil, e que é um incentivador de uma rotina saudável desde a primeira infância. 

O mês de setembro foi escolhido para concentrar as campanhas de conscientização, prevenção e tratamento porque no dia 29 é comemorado o Dia Mundial do Coração, uma iniciativa criada em 2000 pela Federação Mundial do Coração com apoio das Nações Unidas. Desde então, diversas organizações no Brasil e no mundo realizam ações para lembrar a data.

Atenção aos sintomas – É preciso estar atento aos primeiros sintomas e realizar exames regularmente. Alguns indicadores são: falta de ar, cansaço após esforço físico, dores e queimações no peito, além de formigamento no braço esquerdo. Para detectar as doenças logo no começo, é recomendado realizar avaliações periódicas. Exames de sangue indicam alterações nos níveis de colesterol, glicemia e tireoide, que estão relacionadas aos fatores de risco. O eletrocardiograma também alerta para possíveis doenças coronárias.

O projeto propõe que governos estadual e municipal desenvolvam ações que incentivem mudanças de hábitos na população, entre elas, as academias ao ar livre

Foto: ROSE DOMINGUES

Controle do estresse – Não adianta cuidar da alimentação se não mudar a forma como reage aos problemas e desafios cotidianos. Embora seja um sentimento normal, o excesso de estresse é um fator de risco, que gera sensações de medo, desconforto, preocupação, irritação, frustração, indignação e nervoso. Práticas aparentemente simples podem ajudar, como dormir melhor, fazer atividades físicas, lazer ao ar livre e estar em contato com amigos para conversar e desabafar ajuda. Outras informações sobre as doenças coronárias você pode acessar a página da Sociedade Brasileira de Cardiologia: http://prevencao.cardiol.br/

Comentários Facebook
Leia mais:  Lei obriga estabelecimentos a denunciar a violência contra a mulher
publicidade

Política

Lei obriga estabelecimentos a denunciar a violência contra a mulher

Publicado

“Não podemos permitir que a violência contra as mulheres, que considero pré-histórica, continue a atormentar a sociedade”, disse o deputado Nininho, autor da lei

Na quarta-feira (25), Dia Internacional de Não Violência Contra a Mulher, Mato Grosso avançou no amparo às vítimas de violência com a Lei nº 11.252, de autoria do deputado estadual Ondanir Bortolini (PSD), o Nininho, sancionada em 19 de novembro pelo governo do estado.  A lei tem como finalidade a divulgação do Disque Denúncia Nacional de Violência Contra a Mulher em estabelecimentos públicos e privados.

Conforme a lei, o texto altera a Lei nº 9.922, de 24 de novembro de 2013, tornando obrigatória a denúncia por responsáveis de estabelecimentos públicos e privados e colaboradores a acionar o disque denúncia “180”.

Segundo um levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Mato Grosso é o estado com o maior aumento no número de feminicídios durante o isolamento social com um aumento de 400% se comparado até o mês de março de 2019.

De acordo com o autor da lei, as mulheres ganham mais uma ferramenta de proteção. “A lei de 2013 não obrigava a livre iniciativa de terceiros para as denúncias em ambientes públicos, agora a nova lei vai dar mais segurança e inibir os atos de violência. Não podemos permitir que esta violência, que considero pré-histórica, continue atormentar a sociedade”, afirmou Nininho.

O artigo 2º destaca que a divulgação deverá ser feita em condomínios, edifícios e prédios residenciais e comerciais, permitindo que todos os colaboradores passam a ser obrigados a acionar o disque-denúncias nos casos que presenciarem, independente da forma de agressão contra a mulher, bem como todas as formas de agressão previstas na Lei Maria da Penha.

“Ficarão os gestores dos estabelecimentos responsáveis por oferecerem capacitação e orientação aos colaboradores a respeito do disque denúncia”, diz o parágrafo 3º.

O parlamentar agradeceu a celeridade do governador Mauro Mendes. “Quero em nome de todas as mulheres de nosso estado agradecer o governador, primeiro pela sensibilidade de entender a importância da lei e segundo por ele ser um ativista em defesa da mulher”, agradeceu o parlamentar.

Confira o teor da Lei nº 11.252 aqui


Gabinete do deputado Nininho

Telefone:  (65) 3313-6320

Comentários Facebook
Leia mais:  Lei obriga estabelecimentos a denunciar a violência contra a mulher
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana