conecte-se conosco



Geral

IBGE abre processo seletivo com 76 vagas em MT para o Censo 2020

Publicado

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abriu processo seletivo simplificado para 2.658 vagas de nível médio e superior. São 1.343 vagas para coordenador censitário subárea (nível superior) e 1.315 vagas para agente censitário operacional (nível médio), distribuídas pelas 27 unidades da Federação. Os salários são de R$ 3.100 para coordenador e de R$ 1.700 para agente.

As inscrições devem ser feitas de 25 de setembro a 15 de outubro pelo site https://fgvprojetos.fgv.br/concursos/ibgepss2019.

Em Mato Grosso são oferecidas 76 vagas. Em Cuiabá são 38 vagas.

Há vagas em Água Boa, Alta Floresta, Alto Araguaia, Aripuanã, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Campo Verde, Canarana, Chapada dos Guimarães, Cláudia, Colíder, Confresa, Juara, Juína, Lucas do Rio Verde, Matupá, Mirassol D’Oeste, Nortelândia, Nova Mutum, Pedra Preta, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Santo Antônio do Leverger, São Félix do Araguaia, São José dos Quatro Marcos, Sapezal, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra e Várzea Grande.

As inscrições estão abertas até 15 de outubro de 2019 e serão feitas pelo site da Fundação Getúlio Vargas, banca organizadora do processo seletivo. As provas estão previstas para 8 de dezembro e serão realizadas em todos os municípios onde há vagas.

Além disso, os candidatos a coordenador censitário subárea devem ter carteira nacional de habilitação definitiva ou provisória, dentro do prazo de validade, no mínimo para categoria B.

O coordenador exerce uma atividade de natureza técnica em um conjunto de municípios, por isso ele precisa ter carteira de habilitação para o deslocamento.

Já o agente censitário operacional desempenha a função de suporte administrativo e de informática para as equipes das unidades estaduais.

A jornada de trabalho para ambos os cargos será de 40 horas semanais, sendo 8 horas diárias.

Os contratados terão direito aos auxílios alimentação, transporte e pré-escolar, além de férias e 13º salário proporcionais, de acordo com a legislação que regulamenta este tipo de contratação.

O período máximo da contratação é de 12 meses, podendo ser prorrogado. Os contratos terão vigência de 30 dias, podendo ser sucessivamente prorrogados por igual período, de acordo com a necessidade do trabalho e/ou disponibilidade de recursos orçamentários.

O pagamento da taxa de inscrição para as duas funções deverá ser feito até 1º de novembro, sendo de R$ 58 para coordenador censitário subárea e de R$ 42,50 para agente censitário operacional.

Por G1 MT

Leia mais:  Governo cria protocolos para frigoríficos atuarem durante a pandemia

Comentários Facebook
publicidade

Geral

Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial a partir de hoje

Publicado

A partir de hoje (30), as mães com menos de 18 anos podem pedir o auxílio emergencial de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras). A novidade está disponível na 16ª versão do aplicativo Caixa Auxílio Emergencial, que está sendo liberada hoje pela Caixa Econômica Federal.

Incluída pelo Congresso durante a tramitação da medida provisória que instituiu o benefício, a extensão do auxílio emergencial para mães menores de idade havia sido sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no último dia 15. O cadastro no auxílio emergencial pode ser pedido até 3 de junho.

A vice-presidente de Tecnologia da Caixa, Tatiana Thomé, explicou como funcionará a novidade em entrevista coletiva hoje à tarde. A mãe menor de idade precisa cadastrar pelo menos dois membros da família (ela própria mais um filho, no mínimo). Caso a adolescente pertença a uma família maior, com algum membro que tenha se cadastrado no auxílio emergencial, precisará fazer o cadastro compatível com o do outro membro da família.

Mães grávidas não poderão fazer o cadastro porque o aplicativo pedirá o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do filho. O processo se dará de forma igual ao dos demais cadastramentos. Ao entrar no aplicativo, a mãe digitará nome completo, número do CPF, nome da mãe e data de nascimento, conforme constam nos cadastros da Receita Federal. O aplicativo oferece a opção “mãe desconhecida”, caso a requerente não conheça a mãe.

Finalizado o cadastro, os dados serão enviados à Dataprev, empresa estatal de tecnologia, que comparará as informações prestadas com as 17 bases de dados disponíveis para ver se o requerente cumpre as condições da lei para receber o auxílio emergencial. A usuária poderá acompanhar, no próprio aplicativo, se o benefício foi aprovado, negado ou se o cadastro foi considerado inconclusivo (quando as informações prestadas não conferem com os bancos de dados do governo).

Logo da Agência Brasil

Comentários Facebook
Leia mais:  Governo cria protocolos para frigoríficos atuarem durante a pandemia
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana