conecte-se conosco


Saúde

Em um ano, incidência da dengue no país aumenta 600%

Publicado

O Ministério da Saúde informou hoje (11) que, de 30 de dezembro a 24 de agosto, foram registrados 1.439.471 casos de dengue em todo o país. A média é 6.074 casos por dia e representa um aumento de 599,5%, na comparação com 2018. No ano passado, o período somou 205.791 notificações.

Minas Gerais é, até o momento, o estado com o maior número de ocorrências, com um total de 471.165. Um ano antes, os municípios mineiros registravam 23.290 casos.

São Paulo (437.047) aparece em segundo lugar, sendo, ainda, a unidade federativa em que a incidência da doença mais cresceu (3.712%), no intervalo de análise. Em 2018, foram reportados 11.465 casos.

Também são destaque negativo no balanço Goiás (108.079 casos), Espírito Santo (59.318) e Bahia (58.956). Quando o critério é a variação por região do país, o quadro mais crítico se encontra no Sul (3.224,9%), que contrasta com o do Centro-Oeste (131,8%). Além disso, nota-se que apenas dois estados apresentaram queda na prevalência da dengue: Amazonas, que diminuiu o total de 1.962 para 1.384 (-29,5%), e Amapá, onde houve redução de 608 para 141 (-76,8%).

Atualmente, a taxa de incidência da dengue no país é 690,4 casos a cada 100 mil habitantes. No total, 591 pacientes com a doença morreram, neste ano, em decorrência de complicações do quadro de saúde.

Chikungunya e zika

O levantamento do ministério também reúne informações sobre a febre chikungunya. Ao todo, os estados já contabilizavam, até o final de agosto deste ano, 110.627 casos, contra 76.742 do mesmo período em 2018.

Segundo a pasta, o índice de prevalência da infecção, que também tem como transmissor o mosquito Aedes aegypti, é bastante inferior ao da dengue: 53,1 casos a cada 100 mil habitantes. Como estados com alta concentração da doença destacam-se o Rio de Janeiro (76.776) e o Rio Grande do Norte (8.899).

Até o encerramento do balanço, haviam sido confirmadas laboratorialmente 57 mortes provocadas pela chikungunya. Em âmbito nacional, a variação de um ano para o outro foi 44,2%, sendo que na região Norte do país o recuo foi 32% e no Centro-Oeste, de 92,7%.

O boletim epidemiológico acompanha também a situação do zika. Nesse caso, somente o Centro-Oeste apresentou queda nas transmissões (-35,4%).

De 2018 para 2019, o total de casos de zika saltou de 6.669 para 9.813, gerando uma diferença de 47,1% e alterando a taxa de incidência de 3,2 para 4,7 ocorrências a cada 100 mil habitantes. Neste ano, o zika vírus foi a causa da morte de duas pessoas.

Recomendações

O ministério aconselha que, durante o período de seca, a população mantenha ações de prevenção, como verificar se existe algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa. Outra recomendação é lavar semanalmente, com água e sabão, recipientes como vasilhas de água do animal de estimação e vasos de plantas.

Não deixar que se formem pilhas de lixo ou entulho em locais abertos, como quintais, praças e terrenos baldios é outro ponto importante. Outro hábito que pode fazer diferença é a limpeza regular das calhas, com a devida remoção de folhas que podem se acumular durante o inverno.

FONTE: Agência Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Profissionais da Atenção Primária à Saúde iniciam capacitação pelo Planifica SUS

Publicado

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) realiza nesta segunda e terça-feira (16 e 17.09) o segundo workshop do PlanificaSUS, no âmbito do Estado de Mato Grosso. Realizado em Rondonópolis, a expectativa é de que o evento reúna cerca de 2.500 profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS) e da Atenção Ambulatorial Especializada (AAE).

Intitulado “A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Rede com a Atenção Primária à Saúde”, o projeto é executado pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

“O PlanificaSUS é um sonho de mais de uma década para a Saúde em Mato Grosso. É um dos projetos que a atual gestão implementou e que conta com a consultoria de uma das melhores estruturas de saúde do país. No entanto, é importante frisar que contaremos, sobretudo, com o empenho dos municípios e com a atuação de cada um dos servidores da Saúde, que são essenciais para transformar os ideais em realidade”, pontuou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Coordenadora técnica do PlanificaSUS em Mato Grosso, Regina Paula Costa explicou que, inicialmente, o projeto é implantado na região de saúde sul mato-grossense, tendo Rondonópolis como município sede para, a partir das experiências adquiridas nesse processo, expandir o trabalho às demais regiões de saúde do Estado.

“Por meio do processo da planificação – que engloba os workshops e oficinas tutoriais que acontecerão de agosto de 2019 até novembro de 2020 –, a SES-MT movimentará cerca de 2.500 profissionais de saúde, incluindo servidores da própria Secretaria e dos 19 municípios pertencentes à região de saúde sul mato-grossense”, disse. 

Estarão à frente do workshop os facilitadores da Secretaria de Estado, dos Escritórios Regionais de Saúde e de alguns municípios da região, que são treinados pelo Hospital Israelita Albert Einstein. 

“A proposta é mudar a forma dos profissionais que trabalham na atenção primária e no ambulatório de especialidades. Queremos, a partir desse projeto, desenvolver a competência das equipes de saúde para o planejamento e organização da atenção à saúde, com foco nas necessidades dos usuários; reorganizar os processos de trabalhos das unidades de atenção primária; melhorar o atendimento à população, ofertando atenção de qualidade, resolutiva, e aumentando a satisfação do usuário do SUS com o atendimento recebido”, explicou Regina.

Programação

As atividades ocorrerão em quatro pontos diferentes da cidade: na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – campus Rondonópolis –, na Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec), no Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) e na UNIC de Rondonópolis.

As 2.500 pessoas serão divididas em dois grupos; um vai ser capacitado na segunda-feira e outro na terça-feira. A programação terá início às 8h, com apresentação da experiência da oficina tutorial, orientação e elaboração do trabalho em grupo sobre gestão com base populacional e territorialização da Atenção Primária à Saúde. 

Após o almoço, às 13h30, a primeira equipe a ser capacitada retornará com uma dinâmica de aquecimento – um trabalho em grupo sobre a Integração da Atenção Primária à Saúde e a Vigilância em Saúde, Vigilância em Saúde e a Construção Social da Atenção Primária à Saúde.  A segunda equipe a ser capacitada participará da mesma programação na terça-feira.

Além do município de Rondonópolis, esse mesmo workshop acontecerá, simultaneamente, nos outros 18 municípios da região de saúde sul mato-grossense por meio da atuação dos facilitadores do projeto.

FONTE: Governo do estado de MT

Comentários Facebook
Continue lendo
publicidade

Pontes e Lacerda

publicidade

Polícia

Cidades

Mais Lidas da Semana